dailyvideo

translator | переводчик | 翻訳 | 翻譯 | Übersetzer | traductor

Nem tudo está tão perdido, Papão!


Nos mais de 700 clássicos disputados entre Paysandu e Clube do Remo aconteceram diversas partidas em que Papão e Leão comprovaram o velho ditado do futebol mundial, de que clássico é clássico, sem que haja um favorito, independente do momento de cada equipe. É por conhecer o histórico do Re-Pa que os bicolores acreditam numa vitória no próximo domingo (29), diante do maior rival.
A atual fase dos remistas é melhor: o time comandado pelo técnico Sinomar Naves é o líder do Campeonato Paraense 2012, com dez pontos. A equipe alviceleste, por outro lado, perdeu três das quatro partidas que disputou no certame estadual; corre sério riscos de não conseguir a classificação para a fase semifinal da competição. Apesar dos números, o experiente atacante Zé Augusto conta que já viu várias vezes o time com o pior momento em uma competição sair de campo vitorioso. “Eles estão com mais pontos, mas temos totais condições de vencer. É um clássico e antes dele ninguém vence. A definição vem nos 90 minutos e quem tiver mais força de vontade, estiver mais concentrado vai conquistar o resultado positivo”, aposta o Terçado.
Entre as disputas citadas por Zé Augusto, uma das recentes aconteceu em 2008, quando o Paysandu liderava o Parazão daquele ano, mas perdeu por 2 a 1 para o Remo, que não estava bem na competição. O gol dos bicolores, inclusive, foi marcado pelo experiente atacante. Mas há também outros exemplos em que o time com a melhor campanha venceu o clássico. Em 2001, no Campeonato Brasileiro da Série B, o Papão liderava a segundona, enquanto o Leão era o lanterna. No encontro entre as duas equipes, na Curuzu, os bicolores levaram a melhor, venceram por 3 a 1.
A solução dos problemas? Douglas quer estrear
A defesa do Paysandu é a mais vazada do Campeonato Paraense 2012, com sete gols sofridos em quatro jogos. Por conta do desempenho do sistema defensivo bicolor, o técnico Nad deve promover mudanças na equipe para o clássico do próximo domingo (29), contra o Clube do Remo. Para a disputa, o experiente zagueiro Douglas, contratado recentemente, já estará à disposição do treinador.
O jogador conta que embora um dos principais problemas do time seja a zaga, também é preciso analisar os lances como um todo, desde o início ao fim das jogadas. “A zaga é sempre crucificada porque nas imagens os gols só aparecem lá atrás. Mas dentro de campo são onze jogadores e se cada um se ajudar o time vai ficar bem. Se não for assim, fica complicado”, opina o zagueiro.
Ansioso pela estreia, Douglas conta que antes de chegar a Belém conhecia o Re-Pa apenas pela mídia. “Sei o quanto é importante. O Remo tem uma grande equipe e está num melhor momento, mas a nossa equipe também é forte e temos que dar alegria a essa torcida grandiosa. Sei da responsabilidade do jogo. A gente sempre escuta desse clássico. Todo jogador quer disputar uma partida como essa e se for bem vai para o céu, não para o inferno. Todo atleta gosta desse tipo de jogo”, completa.
Como foi contratado há pouco tempo, Douglas participou de poucos treinos ao comando de Nad, mas antes de assinar com o Papão o jogador já estava em pré-temporada e, portanto, ele garante estar na sua melhor forma física possível para atuar. 
Zé quer equipe com personalidade
Na reapresentação do Paysandu, ontem à tarde, na Curuzu, o clima entre os bicolores era de reflexão, depois de mais uma derrota do time, a terceira, no Campeonato Paraense 2012. Ao comando do técnico Nad, os jogadores que atuaram na partida diante do Águia, anteontem, participaram apenas de um trabalho físico, dando início às preparações para o clássico Rei da Amazônia, em que o Papão terá de mostrar muito mais que vontade para sair vitorioso da disputa.
“Não é só com esforço que se vence as partidas, tem que saber fazer os gols a favor e evitar os contra, tem que ter personalidade e quem está nesses dois times tem de saber isso. Não dá para conseguir os resultados se a gente apenas correr e não ter personalidade”, destaca o experiente atacante Zé Augusto. O jogador conta que tem feito sua parte, conversa bastante com os mais jovens, mas, segundo ele, personalidade cada um tem de ter e ninguém coloca na cabeça do outro.
Depois de marcar um gol no amistoso contra a Seleção de Paragominas, Zé Augusto diz que vai brigar por uma vaga na equipe principal, até mesmo porque o ataque bicolor não tem sido eficiente. “Trabalho sempre com o pensamento de estar pronto quando for necessário. Estou bem melhor fisicamente do que nos primeiros jogos e nos treinos os gols estão saindo, prova disso foi no amistoso. Como cada um dos que estão aqui, eu também quero jogar”, finaliza.

Posted by @Juninho_liv on 21:32. Filed under , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0

0 comentários for Nem tudo está tão perdido, Papão!

Leave comment

Recent Entries

Recent Comments

Photo Gallery